Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
SharePoint

Release

Historiador fala sobre colonização e a formação do Brasil no Café Filosófico CPFL

Escrito por:

Assessoria de Imprensa   04/09/2019

“A colonização e a formação do Brasil: estruturas e interpretações” são os temas do Café Filosófico CPFL desta sexta-feira, 06/09, às 19h, com o historiador Fernando Novais.

Novais é professor emérito da Universidade de São Paulo (USP), onde lecionou no Departamento de História da FFLCH entre 1961 e 1986 na cadeira de História Moderna e Contemporânea. É também professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde lecionou no Instituto de Economia entre 1986 e 2003. Doutor em História pela Universidade de São Paulo (1973), é autor do livro "Portugal e Brasil na Crise do Antigo Sistema Colonial", obra clássica da historiografia brasileira, e de inúmeros trabalhos importantes sobre história e historiografia. 

Atualmente é professor das Faculdades de Campinas (Facamp), onde leciona na Faculdade de Ciências Econômicas.

No encontro, o especialista vai mostrar como os três séculos de colonização portuguesa do Brasil são parte da história mundial do sistema capitalista. A escravidão africana e o tráfico negreiro, o trabalho indígena, a adaptação de instituições e estruturas sociais europeias no Novo Mundo e a exploração econômica, segundo ele, são alguns dos componentes dessa história que precisam ser compreendidos.

A importância da colonização, porém, não está apenas em seus acontecimentos e estruturas (algumas das quais se fazem ainda presentes no Brasil atual). Está também, de acordo com o estudioso, no plano das visões sobre o país criadas por seus grandes intérpretes, como Caio Prado Júnior, Sérgio Buarque de Holanda, Celso Furtado, Florestan Fernandes e Antonio Candido. Tais interpretações nos ajudam a entender o passado e o presente do país, e nos inspiram a imaginar seu futuro. (Saiba mais em https://bit.ly/2kdt2R4​).

O encontro é parte do módulo “A independência e a formação do Brasil: nação, identidade e conflito”, que tem a curadoria do professor de economia da USP Alexandre Macchione Saes.

Na semana seguinte o convidado do programa é o historiador João Paulo Pimenta, que falará sobre “Independência do Brasil e seus legados: nação, identidade e conflito”.

Cultura chinesa. E no fim do mês terá início a série especial “Soft Power e a construção da imagem da China moderna” do Café Filosófico CPFL, que tem a curadoria de Fernanda Ramone, especialista em relações internacionais. No primeiro encontro da série, na sexta-feira, 20/09, às 19h, ela fala sobre a indústria cultural chinesa e os impactos nas formas de produzir e perceber cultura e entretenimento a partir do processo de abertura econômica e da revolução tecnológica.

No encontro seguinte, dia 27/09, também às 19h, o jornalista Jaime Spitzcovsky conversa com o público sobre os 40 anos de reformas e os novos caminhos do século 21 para a China.

A gravação dos encontros é aberta ao público do Instituto CPFL, em Campinas (SP), com transmissão ao vivo nas redes sociais.

Exposição. E o público que comparecer aos eventos no Instituto CPFL durante o mês pode aproveitar e conferir a exposição “Tinta Sobre Tinta: acervo do MAM no Instituto CPFL” na Galeria de Arte do Instituto CPFL. A mostra é resultado de uma parceria com o Museu de Arte Moderna de São Paulo e apresenta ao público uma seleção de 35 pinturas, incluindo criações de artistas como Flávio de Carvalho, Iberê Camargo, Leda Catunda, Paulo Pasta e Tomie Ohtake.

Com entrada gratuita, a exposição, que fica em cartaz até 30/11, conta com peças que evidenciam a herança da pintura impressionista no Brasil.

“O impressionismo inovou tecnicamente ao fazer uma obra final apenas com a primeira camada de esboço pintado; na tradição acadêmica, esse primeiro esboço era feito com a tinta pouco diluída e sem suavização do encontro entre os matizes cromáticos, algo que os impressionistas apresentavam como obra final. Tal herança foi elaborada pela pintura ao longo do último século como sinal de modernidade”, explica o curador do MAM São Paulo, Felipe Chaimovich.

A exposição conta com visitas educativas mediadas por educadores que estarão no local para atender ao público. O agendamento de visitas em grupo pode ser feito por e-mail monitoriainstitutocpfl@gmail.com ou pelo telefone (19-3756-8000).

Tags:
    Colonização e a formação do Brasil; Café Filosófico CPFL; Cultura chinesa; Exposição; Instituto CPFL;