Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
SharePoint

Release

Debate com Laerte Coutinho encerra ciclo temático sobre gênero do Cine CPFL

Escrito por:

Assessoria de Imprensa   16/04/2017

Campinas, 3 de abril de 2017 - O debate com Laerte Coutinho e a diretora Cláudia Priscilla na quinta-feira, 06/04, após a exibição, às 19h, de “Uma Nova Amiga”, de François Ozon, no encerramento do ciclo de filmes temáticos sobre identidade de gênero do projeto Cinema e Reflexão, do Cine CPFL, é o destaque da programação da semana do Instituto CPFL, em Campinas. A entrada é gratuita.
 
A programação terá ainda uma discussão, na quarta-feira, 05/04, às 19h, sobre “O abismo da autonomia”, com o cientista político Renato Lessa, no terceiro encontro da série “Novos horizontes da responsabilidade” do Café Filosófico CPFL, e o concerto gratuito “Choros de Guerra-Peixe”, no sábado, 08/04, às 20h, com o grupo Picadinho da Velha e a participação especial de Nailor Proveta (saxofone e clarinete). O concerto é o primeiro da série “Mosaico” do programa Música Contemporânea.
 
Haverá ainda sessão de cinema na terça-feira, 04/04, com a exibição de “Eu, Olga Hepnarová”, de Petr Kazda e Tomás Weinreb.
As sessões acontecem na Sala Umuarama, no Instituto CPFL, em Campinas, com retirada de ingresso a partir das 18h (2 ingressos por pessoa).
 
Confira a programação:
 
04/04 |ter | 19h | cine cpfl  | “eu, olga hepnarová”, de petr kazda e tomás weinreb
(“já, olga hepnarová”, república tcheca, polônia, eslováquia, frança, 2016, 105 min, 16 anos)
com michalina olszanska, martin pechlát e klára melísková.
olga hepnarova é uma jovem, crescida em uma família que nunca a aceitou pelo fato da moça ser homossexual. atacada e pressionada por todos os lados pela sociedade, olga começa a isolar-se ainda mais em seu próprio mundo. alienada e solitária, olga fará escolhas trágicas que a levarão a cometer atos que marcaram a história. vencedor do prêmio de melhor direção e de melhor atriz no festival de minski; selecionado para a sessão de abertura da mostra panorama do festival de berlim; melhor direção no festival de sofia; prêmio da crítica jovem no festival tarkovski – “zerkalo” (rússia); melhor filme da competição new europe – new directors no festival de vilna (lituânia); melhor atriz no festival de filmes de arte de košice (eslováquia).
 
https://www.youtube.com/watch?v=1GqBYFsGGdg
 
05/04 | qua | 19h | o abismo da autonomia
café filosófico cpfl com renato lessa, cientista político, professor da puc-rj
o termo autonomia fixou-se, de modo indelével, no léxico de nossas melhores aspirações. no entanto, a demanda por autonomia coincide com a máxima extensão conhecida pelos humanos dos imperativos da interdependência. o imaginário da autonomia, em grande medida, opera no esquecimento e no recalque da interdependência. o que pretendo propor é uma reflexão a respeito da presença do que designarei como macro mecanismos de autonomização, presentes ao longo da experiência social e cultural dos humanos. pela ordem: autonomia do humano com relação ao divino; autonomia da política com relação a restrições de natureza não-política; autonomia do indivíduo, percebido como sujeito auto-consciente de si mesmo; autonomia dos mercados; autonomia do sistema científico-tecnológico. pretendo, além de algumas indicações conceituais, explorar as implicações paroxísticas de cada um desses princípios de autonomia.
 
06/04 | qui | 19h |
sessão debate
exibição de uma nova amiga, de françois ozon, seguido de palestra com laerte coutinho (cartunista) e cláudia priscilla (cineasta) 
(“une nouvelle amie”, frança, 2014, 108 min, 16 anos)
com romain duris, anaïs demoustier e raphaël personnaz. claire tinha laura como sua melhor amiga. parceiras desde a infância, as duas eram inseparáveis. quando laura fica doente e morre, claire se aproxima de seu marido, david, e surpreende-se ao descobrir o segredo íntimo do viúvo. vencedor do prêmio de melhor filme no festival de san sebastián.
https://www.youtube.com/watch?time_continue=2&v=B5DPepzcxWE
 
sessão debate: laerte é considerada uma das artistas mais importantes na área no país. aos 57 anos assumiu a transexualidade e tornou-se ícone do movimento lgbt. cláudia priscilla tem carreira marcada por curtas e longas-metragens premiados que abordam questões de gênero, como “claustro”, “leite e ferro”, “vestido de laerte” e “olhe para mim de novo”. é diretora, ao lado de pedro marques, da série televisiva “transando com laerte” 
 
08 de abril | 20h | música contemporânea choros de guerra-peixe
o primeiro concerto da série apresenta o lado popular e pouco conhecido do maestro césar guerra-peixe através de suas composições de choro. o repertório, recolhido a partir do original no acervo jane guerra-peixe, conta com arranjos de jayme vignoli e direção musical e participação especial de nailor proveta.
as apresentações do módulo “mosaico”, de abril a junho, tem a curadoria da pianista thais Nicolau, a coordenação do jornalista joão marcos coelho e desafiam os conceitos e preceitos que dividem a música popular da erudita nos séculos 20 e 21. mergulham na realidade política que nos cerca. em abril, dois concertos ilustram a proximidade do erudito e o popular na música brasileira com os choros de guerra-peixe tocados por nailor proveta & picadinho da velha e com um recital de hercules gomes, apresentando uma história do pianismo brasileiro com ênfase em nazareth, chiquinha gonzaga e radamés gnattali.
 
Mais informações em www.institutocpfl.org.br/cultura
Tags:
    Cine CPFL; Instituto CPFL; Laerte Coutinho; cultura; CPFL Energia